Thursday, September 07, 2006

Sou Contra a Renovação!

Comecemos pelas definições, tendo por base o dicionário on-line da Priberam:

Renovar
do Lat. renovare

v. tr.,
dar aspecto de novo;

Inovar
do Lat. innovare
v. tr.,
tornar novo;


Como para bom entendedor meia palavra basta, facilmente compreendem o sentido que darei ao presente post.

Ao longo dos tempos temos vindo a ouvir os mais diversos intervenientes na vida política activa falar…falar não… exigir que haja Renovação. É típico ouvir, sobretudo as “camada jovens” gritar e pedinchar por renovação.

Quero assumir que não quero que haja renovação. Digo mais, quem pede que haja renovação não anda atento… renovação é o que se tem vindo a fazer com grande profissionalismo no nosso partido nos últimos 15 anos. E confesso que começo a ficar farto de tanta renovação. Se algo não funciona, renova-se! O que é renovar?: Dar aspecto de novo… a algo que já não o é!

Renovar, dar lustro, corrigir, reanimar… tudo aquilo que vem incluído num razoável kit de cosmética política. A política de renovação do PSD tem permitido que sejam sempre os mesmos protagonistas a exercer funções executivas chave no seio do partido. Houve excepções? Claro. Mas a excepção serve apenas para confirmar a regra e é a regra que temos que alterar.

E se o nosso discurso enquanto Jotinhas mudasse? E se deixássemos cair o discurso da renovação e passássemos a exigir Inovação?! A JSD, se existe, tem de ser a primeira estrutura a exigir que a aposta seja feita em pessoas novas (não necessariamente jovens), ideias novas com métodos novos num “partido novo” que se adapte ao novo mundo global. É possível criar um novo PSD em torno da tríade clássica de Sá Carneiro: um partido Politicamente Liberal, Humanista e com Visão Social Democrata.

Defender a inovação do PSD (e também da JSD) é assegurar a defesa de um partido fiel às linhas programáticas definidas pelos nossos fundadores. Permitir que o Partido continue a subsistir com base em operações de “renovação”, sem alterações de fundo, conduzirá à extinção do PSD enquanto partido defensor de uma Social Democracia Portuguesa.

Tenhamos coragem e gritemos:

Contra a Renovação! Viva a Inovação!

3 Comments:

Anonymous Fernanda said...

Caro Ricardo,

É interessante a distinção que fazes entre renovar e inovar. De facto, se isso é claro nos dicionários, nem sempre o é na aplicação prática que se faz em política desses termos.
Creio que hoje em dia, cada vez mais se opta pelo renovar, pois inovar implica arriscar... e nem a todos interessa correr riscos, sobretudo aos que se empenham, em causa própria, no «carreirismo» político. A estes, é o renovar que interessa, afinal, aparenta-se que algo muda e satisfazem-se os outros até que descubram que é tudo mais do mesmo e eles vão conseguindo manter-se à tona.
É importante que na JSD, todos percebamos a importância da inovação (imposta de 15 em 15 anos, pelo limite de idade). Se não tivermos medo de inovar, seremos uma estrutura «partidoindependente» (como reflectiste no post anterior) sem correr o risco de se extinguir. E deste modo seremos no PSD aquilo que se exige de uma juventude política: uma lufada de ar fresco, sem subservivência, num ambiente abafado e que sem inovação chega a ganhar bafio.
Já agora, parabéns pelo teu regresso. É sempre bom, que alguém inove e nos traga reflexões que obriguem a que na JSD se faça ginástica mental sem «seguidismos».

Beijinhos, de novo de Timor-Leste,
Fernanda Azoia

2:01 AM  
Blogger Cunilingus said...

Ricardo concordo.
Mas o problema coloca-se no facto do PSD actualmente se escudar atrás dessa suposta renovação. Eu explico:
Vemos um PSD que está a força a renovação das estruturas, impondo “yes mans” da liderança nacional em todo o lado (leia-se Distritais e Secções). Para quê? Para controlar, para impedir que se haja discordância, ou até, no extremo, um verdadeiro PSD democrático.
Temos um PSD que não é oposição, nem construtiva, nem destrutiva, ao Governo PS, que apenas pensa em eleger um PM, não pela alternativa credível, mas esperando que quem lá está caia de podre. Este não é o PSD de Sá Carneiro, ou de Cavaco Silva, esses sim inovaram, renovaram e contribuíram para a evolução de Portugal e não se serviram do PSD apenas para satisfazer as ambições pessoais.
Desculpa o desabafo, mas enquanto o PSD não encontrar uma alternativa credível para a sua liderança, nada adianta tentar inovar, ou renovar, porque haverá sempre um Secretário Geral, ou um presidente que pela secretaria garantem que tudo continua na mesma.
Não interessa se se inova ou se se renova, por acaso até acho que o que o PSD necessita neste momento é de muito RENOVA, digo papel higiénico, para ver se começamos a limpar a m...(vá nódoa) que temos na nossa liderança.

12:49 AM  
Blogger Guilherme Costa said...

This comment has been removed by the author.

3:24 PM  

Post a Comment

<< Home